FOTO MODULO IV CURSO original

Módulo IV – Curso: Projeto da UHE do Bem Querer

No Módulo IV do curso “Projeto da UHE do Bem Querer” serão apresentadas alternativas energéticas à Hidrelétrica do Bem Querer.  A capacitação será ministrada pelo engenheiro e integrante do Fórum, Frederico Borges Peiró.

Nosso curso online ocorre nesta quinta-feira (24), das 15h às 17h no horário de Boa Vista (16h às 18h no horário de Brasília). Informamos ainda que a transmissão no canal do Fórum será iniciada com 30 minutos de antecedência. Acesse o link https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber

Captura de tela 2020-09-24 080852

Especialistas da EPE e da Walm Biota têm atuação de destaque durante a capacitação sobre Bem Querer

Os três primeiros dias da capacitação sobre as características da UHE Bem Querer, promovida pelo Fórum de Energias Renováveis de Roraima, superou as expectativas dos integrantes do Fórum e dos participantes do curso.

Outro fato que chamou a atenção foi a participação do público, que durante os três primeiros dias teve atuação de destaque, propondo um debate de alto nível, com questionamentos pertinentes e de interesse de toda a sociedade roraimense.

Nesses três primeiros dias os profissionais da EPE e Walm Biota falaram sobre todos os aspectos ligados ao sistema elétrico e energético brasileiro, repassando informações a respeito do planejamentos de expansão que a EPE está fazendo,  sobre os sistemas isolados, caso de Boa Vista e Roraima,, sobre o planejamento do sistema de transmissão de energia e sobre como são feitos os estudos do aspecto socioambiental no processo de planejamento.

Os especialistas também abordaram todas as características do processo de planejamento da usina hidrelétrica de Bem Querer, começando com o ciclo de planejamento de uma Usina Hidrelétrica, Estudo de Inventário Hidrelétrico da Bacia do Rio Branco, Estudos de Viabilidade da UHE Bem Querer, Levantamentos de campo e Estudos Finais.

Também falaram sobre a Subestação Elevadora e Linha de Transmissão de uso exclusivo da UHE Bem Querer, EIA/Rima, Linha do Tempo dos Estudos, sobre o Cronograma atualizado, as Atividades realizadas, o Plano de Comunicação e Relacionamento e sobre os  Estudos do componente indígena. Os que quiserem saber mais detalhes a respeito da capacitação podem assistir as aulas, clicando no endereço www.energiasroraima.com.br

Participação

As pessoas que participaram dos três primeiros dias da capacitação também tiveram destaque, buscando complementar seus conhecimentos com perguntas específicas sobre os temas apresentados. A maioria ficou satisfeita com o posicionamento dos palestrantes, que esclareceram todas as dúvidas, deixando uma ou outra pergunta para ser respondida posteriormente, pois os estudos ainda não davam possibilidade para embasamento de suas respostas.

Alternativas a Bem Querer

Hoje (24), a partir das 15 horas, o tema a ser debatido são as alternativas energéticas à Bem Querer que podem ser levadas em consideração dentro do processo. Os membros do Fórum vão falar a respeito da produção de energia fotovoltaica (solar), eólica, biomassa, entre outras.

Os que quiserem participar da capacitação podem acessar a página do Fórum no Facebook, através do endereço https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber

Por Nei Costa

modulo iii

UHE Bem Querer: características do projeto, estudos e planejamento

No Módulo III do curso “Projeto da UHE do Bem Querer” serão apresentadas as características do projeto, estudos e planejamento da Usina Hidrelétrica do Bem Querer.  A capacitação será ministrada por especialistas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Governo Federal.

Nosso curso online ocorre nesta quarta-feira (23), das 15h às 17h no horário de Boa Vista (16h às 18h no horário de Brasília). Informamos ainda que a transmissão no canal do FÓRUM será iniciada com 30 minutos de antecedência. Acesse o link https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber

22-09 FOTO SEGUNDO MODULO DO CURSO

Capacitação é sucesso de público e hoje aborda características gerais do projeto da UHE Bem Querer

O terceiro dia de capacitação do curso promovido pelo Fórum de Energias Renováveis de Roraima será de suma importância para o pleno conhecimento das características, estudos e planejamento do projeto da Usina Hidrelétrica do Bem Querer.

Nos dois primeiros dias, um grande número de pessoas acompanhou as palestras dos especialistas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e promoveram um amplo debate sobre o assunto, com perguntas instigadoras e respostas esclarecedoras.

Hoje (23), a partir das 15 horas (horário de Roraima) os especialistas da EPE e da Walm Biota vão se ater especificamente a respeito das características do projeto Bem Querer. Os interessados podem acompanhar clicando no endereço https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber.

Os especialistas Felipe Moreira Gonçalves, Bruno Silveira, Laura Castro e Glauce Maria Botelho vão falar sobre o ciclo de planejamento de uma Usina hidrelétrica, estudo de Inventário Hidrelétrico da Bacia do Rio Branco, estudos de viabilidade da UHE Bem Querer, levantamentos de campo e estudos finais.

Também vão falar sobre a Subestação Elevadora e Linha de Transmissão de uso exclusivo da UHE Bem Querer, sobre o EIA/Rima, a Linha do Tempo dos Estudos, o Cronograma atualizado, as atividades realizadas, e o Plano de Comunicação e Relacionamento.

Por fim, o tema a ser abordado será o estudo do componente indígena no processo da UHE Bem Querer.

Quem quiser ter mais conhecimento a respeito do processo pode acompanhar a capacitação pelo endereço  https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber.

Por Nei Costa

22-09 FOTO SEGUNDO MODULO DO CURSO

Módulo II – Curso: Projeto da UHE do Bem Querer

No módulo II do curso “Projeto da UHE do Bem Querer” será abordado o Planejamento dos sistemas isolados e de transmissão de energia. A capacitação vai contar com a participação de especialistas da Empresa de Pesquisa Energética – EPE, do Governo Federal.

Nosso curso online ocorre nesta terça-feira (22), das 15h às 17h no horário de Boa Vista (16h às 18h no horário de Brasília). Informamos ainda que a transmissão no canal do FÓRUM será iniciada com 30 minutos de antecedência.

O curso sobre o “Projeto da UHE do Bem Querer” será transmitido pelo canal do Youtube do Fórum https://www.youtube.com/channel/UC1qjqzsmGIaKLSaY8kCy2pw?view_as=subscriber

 

card curso modulo 1

Curso: Projeto da UHE do Bem Querer

Começa nesta segunda-feira (21),  o curso sobre o Projeto da UHE do Bem Querer. No primeiro módulo, especialistas da Empresa de Pesquisa Energética – EPE  vão abordar  o “Planejamento de Médio e Longo Prazo no Setor Elétrico”.  O curso será  transmitido pelo canal do Youtube do FÓRUM – https://www.youtube.com/channel/UC2x61IQCAbcw2ayL1QSHUjA

 

Horário:  15h às 17h ( Horário de Boa Vista)

16h às 18h no Horário de Brasília).

 

 

 

informatica-conteudo-pagina

Especialistas da EPE participam de capacitação interna para parceiros do Fórum a respeito da UHE do Bem Querer

O Fórum de Energias Renováveis de Roraima vai promover capacitação interna para representantes das entidades parceiras a respeito dos aspectos técnicos, sociais e econômicos do projeto de construção da usina hidrelétrica do Bem Querer. O curso se inicia na próxima segunda-feira, 21, e se encerra na sexta-feira, 25. O horário é das 15 às 17 horas.

A capacitação terá cinco módulos, sendo três deles apresentados por técnicos especialistas da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão vinculado ao Ministério das Minas e Energia (MME). As apresentações serão por meio de videoconferência.

A capacitação para os membros do Fórum terá início no dia 21 e o primeiro tópico será “Planejamento de médio e longo prazo do setor elétrico”. Neste tópico os temas serão: Quem é e qual o papel da EPE; Diretrizes para o planejamento; Cenário macroeconômico; Demanda e eficiência energética.

O palestrante será Allex Yujhi Gomes Yukizaki, engenheiro eletricista pelo CEFET-RJ e mestre em planejamento energético pela COPPE/UFRJ, trabalha na EPE desde 2015 com estudos de mercado de eletricidade, cenários de estudos econômicos e energéticos, eficiência energética e matriz energética.

O segundo tópico terá como temas os Conceitos para a expansão da geração (energia, potência e flexibilidade); Recursos energéticos [potencial disponível]; Recursos energéticos distribuídos – geração distribuída e Características técnicas de cada fonte (flexibilidade e intermitência)

O responsável será Gabriel Konzen, engenheiro eletricista pela UFMT e mestre em energia pela USP, trabalha na EPE desde 2013 desenvolvendo estudos econômicos e regulatórios na área de recursos energéticos distribuídos e energia solar.

Em seguida, a capacitação vai abordar temas como os Aspectos socioambientais nos estudos do planejamento; Análises socioambientais e os Mecanismos de participação social.

Hermani de Moraes Vieira, geógrafo pela UFRJ, especialista em geoprocessamento, trabalha na EPE desde 2006 atuando como consultor técnico e coordenador das análises socioambientais dos estudos para o planejamento da expansão será o palestrante.

Para fechar o primeiro dia da capacitação Simone Quaresma Brandão, matemática pela UCB, trabalha na EPE desde 2009 na área de estudos para o planejamento da expansão da geração de energia elétrica, onde atualmente atua nas avaliações de suprimento de energia e de potência vai falar sobre os seguintes temas: Planejamento da expansão da geração de energia (PDE 2029); Matriz energética e elétrica brasileiras; Premissas e desafios para a expansão (flexibilidade, segurança, etc); Principais resultados e mensagens do PDE, considerando a característica indicativa da expansão das matrizes elétrica e energética.

No segundo dia da capacitação o tópico será ‘Planejamento dos sistemas isolados’. Os temas serão os seguintes: Características dos sistemas isolados; Premissas e instrumentos normativos; Sistemática de trabalho; Produtos e principais resultados; Estudos para atendimento a Roraima (GT Roraima); Objetivo;  Principais resultados; Desdobramentos e situação atual; Leilão para suprimento à Boa vista e localidades conectadas; Regras gerais; Cadastramento e Habilitação técnica; Resultados do Leilão; Outros estudos nos sistemas isolados.

Aline Couto de Amorim, engenheira eletricista pela UFF, especialista em Gestão de Energias Renováveis pela Universidade Estácio de Sá, trabalha na EPE desde 2008 na análise técnica de projetos para os leilões de geração de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN) e dos Sistemas Isolados (SIs), no planejamento para atendimento aos SIs, e em diversos estudos de fontes energéticas e de tecnologias como solar fotovoltaica, eólica e sistema de armazenamento de energia, será a responsável pelo tópico.

O tópico seguinte será sobre o ‘Planejamento do sistema de transmissão de energia’. Nele será abordados os seguintes temas: Sistema Elétrico; Sistema Interligado Nacional; Estudos de Transmissão; Principais Atores Envolvidos na Expansão do Sistema; Atendimento a Roraima; o Histórico; Configuração Atual e Configuração Futura; Interligação Manaus-Boa Vista; Conclusões e os Benefícios advindos da interligação Manaus-Boa Vista.

O responsável pelo tópico será Bruno Silveira, engenheiro eletricista pela UNIFEI, atua há mais de 10 anos no setor elétrico e acumula experiência profissional em duas multinacionais de grande porte. Desde 2013 integra a equipe da EPE, desenvolvendo estudos de planejamento e de expansão da transmissão na região Norte do país.

Os Aspectos socioambientais no planejamento da transmissão vai ser o tópico seguinte. Os temas serão os seguintes: Linha do tempo do planejamento, outorga, licenciamento ambiental e implantação; Principais fatores considerados nos estudos socioambientais e Principais desafios.

A palestrante será Kátia Gisele Matosinho, arquiteta e urbanista pela UFRJ, atuou em estudos e planejamento socioambiental em empresas de consultoria e em Furnas Centrais Elétricas. Trabalha na EPE desde 2006, atuando como consultora técnica. Atualmente coordena as análises socioambientais dos estudos para o planejamento da expansão da transmissão.

No dia 23, quarta-feira, a UHE Bem Querer será o centro das atenções. Os temas serão os seguintes: Ciclo de planejamento de uma Usina Hidrelétrica; Estudo de Inventário Hidrelétrico da Bacia do Rio Branco; Estudos de Viabilidade da UHE Bem Querer; Levantamentos de campo e estudos finais.

O responsável pelo tópico será Felipe Moreira Gonçalves, engenheiro cartógrafo e agrimensor pela UFPR, trabalha na EPE desde 2014 com estudos de inventários hidrelétricos de bacias hidrográficas e viabilidade técnica e econômica de Usinas Hidrelétricas.

O tema seguinte da capacitação será Subestação Elevadora e Linha de Transmissão de uso exclusivo da UHE Bem Querer. O palestrante será Bruno Silveira, engenheiro eletricista pela UNIFEI, atua há mais de 10 anos no setor elétrico e acumula experiência profissional em duas multinacionais de grande porte. Desde 2013 integra a equipe da EPE, desenvolvendo estudos de planejamento de expansão da transmissão na região Norte do país.

Os Estudos de Impactos Ambientais/Rima serão abordados em seguida. Os temas serão os seguintes: Linha do Tempo dos Estudos; Cronograma atualizado; Atividades realizadas e o Plano de Comunicação e Relacionamento.

Laura Castro, arquiteta pela FAU -Mackenzie , especialista em economia urbana e gestão pública e mestre em Arquitetura, Tecnologia e Cidade pela FEC-Unicamp. Ela é coordenadora dos estudos socioeconômicos do EIA/RIMA da UHE Bem Querer, trabalha na WALM desde 2006, com experiência em coordenação e execução de estudos socioeconômicos com ênfase em Avaliação de Impactos Ambientais (RAP, EIVRIVI, EIA-RIMA), Planos Diretores, Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatório Artificial (PACUERA), Programas de Educação Ambiental e Programas de Comunicação Social, para diferentes tipos de empreendimento nas áreas de gestão territorial, petróleo e gás, energia, infraestrutura, saneamento, resíduos sólidos, transporte e mineração.

Os Estudos do componente indígena será o tema da aula de Glauce Maria Lieggio Botelho que é engenheira florestal pela UnB, especialista em Gestão Ambiental e advogada membro da Comissão de Meio Ambiente da OAB/RJ, trabalha na EPE desde 2007, atualmente é Superintende Adjunta de Meio Ambiente. Dentre as suas atribuições está a gestão e fiscalização do contrato dos Estudos do Componente Indígena da UHE Bem Querer.

No penúltimo dia da capacitação, os membros do Fórum de Energias Renováveis de Roraima vão  falar sobre as Alternativas Hidrelétrica à Hidrelétrica do Bem Querer. Na sexta-feira, 25, todos os participantes da capacitação vão participar de um debate sobre o projeto da UHE Bem Querer.

Por Nei Costa

eficiencia imagem

MP 998 pode comprometer a realização do Leilão de Eficiência Energética em Boa Vista-RR

No último dia 02 de setembro o governo federal publicou a Medida Provisória 998/2020 no Diário Oficial da União e essa MP pode comprometer a realização do Leilão de Eficiência Energética em Roraima.

Para evitar que isso aconteça. O Fórum de Energias Renováveis de Roraima, a Abesco e parlamentares como o senador Chico Rodrigues e os deputados Edio Lopes e Airton Faleiro se movimentaram para apresentar contribuições e emendas para que o texto original seja modificado e o Leilão de Eficiência Energética não seja prejudicado.

A principal preocupação é com o texto original da MP em seu artigo 5º B que diz que os recursos não comprometidos com projetos contratados ou iniciados deverão ser destinados à CDE em favor da modicidade tarifária entre 1º de setembro de 2020 e 31 de dezembro de 2025.

O Fórum e a Abesco encaminharam contribuição ao Congresso Nacional pedindo a modificação na redação da MP, sugerindo que os recursos não compromissados com projetos contratados, em contratação ou em análise nas Chamadas Públicas de Projeto em andamento, deverão ser destinados à CDE em favor da modicidade tarifária entre 01 de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2023.

Desta forma, como o Leilão de Eficiência Energética já está em estágio avançado e aberto à Consulta Pública, depois de percorrer várias etapas, teria a garantia da sua realização, não comprometendo um processo que traria uma série de vantagens para os consumidores de Boa Vista.

Outro argumento usado pelo Fórum, pela Abesco e pelos parlamentares, é que esses recursos são recolhidos nas tarifas de todos os consumidores pelas concessionárias de distribuição, geração e transmissão de energia elétrica para aplicação em programas de eficiência energética, pesquisa e desenvolvimento. Os recursos que não conseguem ser aplicados pelas concessionárias são corrigidos pela SELIC e afetam negativamente os balanços das empresas, pois são considerados passivos a serem liquidados.

De acordo com levantamentos feitos, o volume estimado pela ANEEL desses recursos represados, segundo o Diretor Geral, André Pepitone, atingem a cifra de R$ 4,64 bilhões, sendo cerca de R$ 1,8 bilhão em eficiência energética.

A proposta da ANEEL para o leilão de eficiência energética como projeto piloto em Boa Vista, atualmente em Consulta Pública e que mobilizou a sociedade local, despertou interesse de empresas de todo o país, pelo seu ineditismo e importância, e usar parte pequena desse estoque (cerca de R$ 125 milhões em 5 anos), para remunerar os investimentos feitos por empresas nas instalações de consumidores residenciais e comerciais, não traria nenhum prejuízo, pois seriam pagos através da energia economizada.

De acordo com o levantamento do Fórum de Energias, os principais benefícios seriam a redução da conta de energia para os consumidores, a menor necessidade de geração termoelétrica no estado, a menor poluição pela geração a diesel e redução dos gases de efeito estufa, a redução da conta de CCC para os consumidores de todo o país, a conscientização da população para o uso eficiente de energia, e o exemplo que a região dá para o país na possibilidade da reprodução do modelo para as outros Estados do Brasil.

Ainda de acordo com as representações, o pequeno montante de recurso envolvido (menos de 3% do total dos recursos), pelo fato do assunto já estar em consulta pública, pela importância e impactos do tema para Roraima e toda a região amazônica, é necessário que seja excluído do contingenciamento proposto na MP o leilão de eficiência energética de Roraima.

Por Nei Costa

bem querer - educarr

Enquete é finalizada com maior número de votos contrários à construção da UHE Bem Querer

A enquete para saber a opinião da sociedade a respeito da construção da Usina Hidrelétrica do Bem Querer, no rio Branco, em Caracaraí, foi finalizada no último dia 10 de setembro.

No total, 1067 pessoas votaram e a maioria se posicionou contra a construção da UHE Bem Querer. Foram 399 votos favoráveis e 668 contrários ao empreendimento. A enquete foi lançada no dia 20 de agosto e teve seu prazo para finalização prorrogado uma vez.

Nas redes sociais o debate foi intenso, tanto na página do Fórum de Energias, quanto em outros perfis onde a enquete foi publicada. Nos grupos, centenas de pessoas emitiram suas opiniões, manifestando os motivos para serem contra ou a favor do projeto.

Os principais problemas citados pelos internautas têm relação com os impactos ambientais e sociais que seriam causados, caso a usina fosse construída, e muitos outros desconfiam da obra por acreditar que se trata de mais uma ‘solução’ política que só beneficiaria alguns grupos empresariais ou mesmo os parlamentares com mandado eletivo.

Já aqueles que se mostraram favoráveis à obra afirmaram que Roraima precisa de uma fonte de energia segura e sustentável e que hoje a UHE Bem Querer é que se mostra mais promissora.

Também levaram em consideração os males da utilização de usinas termelétricas como fonte de energia e afirmaram que hoje não é admissível que se continue gastando tanto combustível fóssil, quando se tem a possibilidade de ter energia segura, limpa e renovável advinda da hidrelétrica.

Num plano geral, o que a maioria dos internautas questionou nos comentários das redes sociais é se no final das contas o valor da tarifa de energia vai diminuir ou não.

Para dar suporte às pessoas, o Fórum de Energias Renováveis de Roraima produziu e divulgou uma série de matérias jornalísticas sobre a Usina Hidrelétrica do Bem Querer que mostraram as posições de vários atores no processo.

O governo federal, por meio da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), mostrou os aspectos técnicos do empreendimento, as etapas do processo de licenciamento ambiental e todos os levantamentos feitos em campo na área que terá influência da obra.

Já os representantes da sociedade civil organizada, movimentos de defesa do meio ambiente e políticos mostraram suas posições e apresentaram argumentos contrários ou favoráveis que serviram para que as pessoas ainda leigas no assunto tomassem conhecimento e formassem suas próprias opiniões a respeito da construção da Hidrelétrica do Bem Querer.

O coordenador do Fórum, Alexandre Henklain, disse que os objetivos da enquete foram alcançados e que houve um grande envolvimento da sociedade no debate.

Alexandre esclareceu que o Fórum vai utilizar todas as informações advindas do debate gerado nas redes sociais para ajudar na análise da proposta da construção da Usina Hidrelétrica do Bem Querer.

Henklain afirmou que essa análise também está levando em consideração o ponto de vista de geração de energia, segurança energética e estabilidade no fornecimento de energia para Roraima.

“Estamos discutindo os prós e os contras, analisando as controvérsias, as polêmicas que existem em relação a esse projeto e ouvindo as mais diversas correntes”.

Por Nei Costa

para enquete

Enquete sobre a viabilidade da UHE do Bem Querer vai ser finalizada depois de amplo debate entre internautas

Depois de semanas publicando as opiniões de técnicos, especialistas, ambientalistas, engenheiros e pesquisadores  a respeito da viabilidade econômica, social e ambiental da construção da Hidrelétrica do Bem Querer, o Fórum de Energias Renováveis de Roraima deve concluir mais um ciclo do processo com a finalização de uma enquete onde o público pode votar contra ou a favor do empreendimento.

O debate sobre a viabilidade da UHE Bem Querer serviu para esclarecer dúvidas das pessoas a respeito dos impactos que o empreendimento pode causar, uma vez que poucas pessoas tinham pleno conhecimento de todo o processo e suas etapas.

O coordenador do Fórum, Alaxandre Henklain, agradeceu a participação de todos os especialistas e afirmou que nesses últimos dias que a enquete ficará no ar, o Fórum pretende dar mais uma oportunidade para que as pessoas emitam suas opiniões e digam se são ou não favoráveis ao projeto.

Até ontem 624 pessoas haviam votado contra a construção, enquanto que outras 342 estavam contrárias. Nas redes sociais os debates foram intensos, tanto nas páginas do Fórum, quanto em perfis de grupos de várias regiões do Estado.

Grupos de facebook como Papo de Política, Folha de Caracaraí, Amigos da Polícia Militar, Roraima On, Estamos de Olho, Batendo Boca, entre outros, compartilharam as publicações do Fórum e abriram espaço para que as pessoas debatessem a viabilidade da Usina.

Na sessão de comentários desses grupos o número de comentários foi alto e o debate aconteceu em alto nível, com muitas pessoas dando opiniões consistentes do que tinham conhecimento e outras mostrando suas preocupações com algumas informações fornecidas tanto por especialistas, quanto pelos políticos e estudiosos envolvidos no processo proposto pelo Fórum.

Confira algumas opiniões

Maria Do Carmo Teixeira Norato – “Temos sol durante os 12 meses do ano, para que fazer hidrelétrica? Nas eleições passadas muitos candidatos surfaram na onda de trazer energia de Tucuruí!! O gato comeu? Agora estão querendo aplicar um novo golpe? Onde estão os deputados que foram eleitos surfando nessa onda? São tantas interrogações!”.

Margarete Sombra Sombra – “Temos um sol maravilhoso então podem acabar com essa arrumação de vocês. Só tô avisando aos corruptos 😡😡😡”.

José Euclides Francisco Dos Santos – “Contra, custos/benefícios, não compensa.”.

Luciana Maria Melo – “Sou contra”.

Wilamo Sobral de Paula – “Sou contra; porque vai servir só pra encher o bolso dos corruptos; Roraima tem fontes renováveis de energia, por exemplo energia solar e eólica. ..!!!!😃”.

Margarete Sombra Sombra – “Sou contra bandidos 😡😡😡😡”.

Alcleber Santos Oliveira – “Porque não investir em energia solar mais barato?”.

Mario Coelho – “Sou a favor”.

Alcleber Santos Oliveira – “Sou contra. Vai destruí muito a natureza é mais viável a hidrelétrica do Cotingo fica entre 2 serras uma de um lado e outra do outro. não destrói nada porque destruir a bela margem do rio Branco?”.

Ronaldo Fialho – “Contra tem que trazer energia de Tucurui”.

Luiz Mota – “Eu sou a favor, as termoelétricas têm um custo muito grande que deixa a energia muito cara para o consumidor”.

Margarete Sombra Sombra – “Essa briga estou dentro bandidos esses político nem a linha de Tucuruí resolveram agora querem destruir nossas riquezas botânicas essa eu não vou deixar mesmo vamos lutar de flexão mesmo😡😡😡😡”.

Valmir Junior – “Roraima tem q evoluir. Precisamos de energia. Sou 100% favorável!”.

Eberte Alencar – “A favor!”.

Maria Oliveira Oliveira – “A favor!”.

Pereira Antonio – “Todos dando sua opinião. Louvável. Você que é a favor pense no impacto ambiental na construção de uma hidrelétrica. Você do contra, pense no sufoco quando o estado não puder sustentar as termelétricas e começar os apagões! Construir ou não construir? Eis a questão! De qualquer forma todos se beneficiam e todos são prejudicados. Então, voltamos a velha máxima: “dos males o menor”. Só nos resta descobrir qual será esse mal. Enfim, Deus nos ajude.”.

Aurijones Marques – “Se for para baratear a conta de energia que é uma absurdo de cara, sou a favor. Mais se continuar como está sou contra.”.

Felipe Gustavo Facioni – A favor . Pq sou contra a queima de 1 milhão de litros de óleo diesel diários nas termo elétricas , resultado do ativismo ambiental que vetou as grandes obras de sustentabilidade energética de Roraima , cotingo e bem querer.”.

Hugo Gadelha – “Há 50 anos existe esse projeto da Hidrelétrica do Bem Querer que nunca vai sair do papel. Fizeram 2 hidrelétricas em Rondônia, a tarifa é alta, e falta energia sempre. De que adiantou???”.

Selman Waksman Pignata Pignata – “Que seja rápido.”.

Por Nei Costa