ENQUTEEEEEEEE

O Fórum tem contribuído para o conhecimento sobre as energias renováveis?

O Fórum de Energias Renováveis de Roraima tem contribuído para o conhecimento sobre as energias renováveis?

ENQUTEEEEEEEE

Fórum lança enquete para avaliar um ano de trabalho

O Fórum de Energias Renováveis de Roraima lançou na quarta-feira, 18 de novembro, uma enquete para avaliar o trabalho desenvolvido neste primeiro ano de implantação no Estado. O questionário encontra-se no portal www.energiasroraima.com.br com a seguinte pergunta: – “O Fórum de Energias Renováveis de Roraima tem contribuído para o conhecimento sobre as energias renováveis?”. Para participar da enquete, basta acessar o site e clicar nas opções de respostas.

Conforme Alexandre Henklain, coordenador do Fórum, essa é uma forma de verificar quais os progressos obtidos durante este período. “Precisamos avaliar o nível de satisfação da população, especialmente, no esclarecimento de dúvidas sobre as soluções energéticas apresentadas para o Estado”, disse Alexandre.

SOBRE O FÓRUM – Implantando em setembro de 2019, o Fórum de Energias Renováveis é uma organização que formula propostas de políticas públicas, interlocução e articulação institucional em prol do desenvolvimento energético de Roraima.

O Fórum permite qualificar o debate sobre as energias renováveis, apresentando os impactos econômicos, sociais e ambientais, trabalhando para sensibilizar, conscientizar e qualificar a opinião pública em relação aos desafios da questão energética no Estado, com ações efetivas e soluções sustentáveis para a sociedade. Principalmente em Roraima, que é o único estado do país que não está conectado ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Apesar de dispor de extraordinário potencial para a geração de energias renováveis, com plena capacidade para o suprimento das necessidades locais e, inclusive, para o atendimento à demanda regional, o Estado ainda encontra dificuldades na geração, transmissão e distribuição de energia, sendo abastecido por termoelétricas a diesel, instáveis, caras e poluentes.

Por Neuzelir Moreira

materia curso

Bombas solares auxiliam a agricultura familiar em Roraima

O bombeamento de água feito com equipamento movido a energia solar tem grande potencial para o desenvolvimento da agricultura em localidades mais distantes, onde não existe rede elétrica.

Desenvolvidas para auxiliar pessoas que moram em locais remotos, as bombas solares são também mais econômicas, já que elas não necessitam de combustíveis como o diesel para funcionar, além disso, são mais duráveis e menos ruidosas que as bombas convencionais.

John Briceño, consultor da empresa Hardsol, explicou como fazer a instalação do equipamento durante um treinamento técnico de energia solar.

“O equipamento é muito fácil de instalar, para isso, é necessário apenas escolher um local com boa incidência do sol e perto de uma fonte de água doce e limpa. Os painéis fotovoltaicos desse sistema captam a radiação solar e transformam em energia elétrica, que vai ser utilizada pela bomba, para levar a água até o destino”, destacou John.

Conforme John, entre as vantagens de investir nesses equipamentos, está o fato de não precisar conectar a uma rede pública de energia, além disso, as bombas tem alta eficiência, não fazem ruídos e não precisam de manutenção regular.

Atualmente no mercado, existem dois tipos de bombas solares, que são as de superfície e as submersas.

A bomba de superfície é utilizada para aspirar a água com a ajuda de um tubo de sucção, levando para um reservatório. É um equipamento mais econômico, porém tem um limite de altura, que varia de acordo com a marca.

E a bomba submersa é utilizada dentro de poços, podendo alcançar uma profundidade maior. Por ser mais resistente, pode ser colocada em um ambiente com grande volume de água.

Por Neuzelir Moreira

18-11 FOTO MATÉRIA NEUZELIR

Agência Alemã investe em pesquisas para armazenamento de energia na Amazônia

Um dos maiores desafios em investir em energia renovável, eólica ou solar, está em viabilizar o armazenamento, considerando que essas fontes são intermitentes, dependendo da insolação e da velocidade do vento.

A implantação de parques de baterias químicas, por exemplo, é uma alternativa importante para o armazenamento da eletricidade gerada a partir do vento e do luz solar.

Acredita-se que esse tipo de estoque pode minimizar o uso de gás e petróleo em momentos de necessidade, tornando a matriz elétrica do país mais renovável.

Em busca de soluções, a Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ, sigla em Alemão), está trabalhando com professores das Universidades Federais de Santa Catarina e da Bahia, para identificar projetos de geração fotovoltaica, associada a armazenamento eletroquímico.

A GIZ é uma agência especializada em projetos de cooperação técnica e de desenvolvimento sustentável em escala mundial, e vem subsidiando pesquisas no Brasil para a geração de energia e o armazenamento por meio de fontes renováveis.

Ricardo Rüther, professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina, destacou que projetos como esses são importantes para solucionar questões relacionadas com a intermitência da geração de energia solar e eólica.

“Para fixar essas fontes, o uso de sistemas de armazenamento de energia é fundamental. Eles trazem principalmente mais garantia de confiabilidade, reduzindo o risco para quem opta por essas fontes renováveis, seja solar ou eólica”, pontuou.

O leilão de sistemas isolados previsto para ser realizado pela a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2021 irá beneficiar 23 localidades da Amazônia. Uma ótima oportunidade para desenvolver projetos que foquem no armazenamento de energia, já que o edital do certame prioriza a geração de energia por fontes renováveis.

As empresas interessadas em desenvolver projetos de geração de energias renováveis, associados a armazenamento, poderão contar com o apoio dos pesquisadores e ainda receber subsídios para a implantação e operação dos projetos.

O Fórum de Energias Renováveis de Roraima foi procurado pelos pesquisadores para conhecer as propostas. Conforme o coordenador, Alexandre Henklain, o propósito da GIZ é identificar na Amazônia, e em particular, em Roraima, sistemas isolados, onde seja interessante promover a substituição de fontes poluentes e de alto custo, por geração fotovoltaica, associada a baterias de última geração.

“O plano é substituir usinas que funcionam, por exemplo, à base de diesel, por essas fontes renováveis de geração de energia elétrica, buscando soluções de armazenamento tecnologicamente inovadoras. Também poderá ser feita uma comparação de custos entre as duas fontes, avaliando impactos ambientais, econômicos e realizando análises comparativas de eficiência energética e qualidade da energia fornecida”, disse Henklain.

A tecnologia das baterias de armazenamento vem evoluindo aceleradamente e, em curto prazo, uma nova geração de baterias estará disponível no mercado, pois a busca dos pesquisadores de todo mundo é a produção de baterias menos onerosas e mais duráveis, o que vai reduzir o custo de armazenamento eletroquímico.

Foto: Internet

Por Neuzelir Moreira
FOTO CURSO NEUZELIR

Empresa de Manaus realiza treinamento técnico em energia solar

A geração de energia solar fotovoltaica vem se consolidando nos últimos anos, tanto no país, como no estado de Roraima, e conseguir mão de obra qualificada para elaborar projetos, vender e instalar sistema dessa natureza também é um grande desafio.

Para qualificar profissionais nessa área, a empresa Hardsol, pioneira em Manaus – AM, realizou um curso de qualificação técnica em sistema solar. A terceira turma do curso iniciou no dia 09 e encerrou no dia 14 de novembro, com carga horária de 18 horas. Além das aulas teóricas, também foram realizadas aulas práticas em lojas parceiras, credenciadas para a venda de equipamentos de energia solar.

Conforme John Biceño, instrutor do curso, nas aulas práticas os alunos conhecem os dois tipos de sistemas de geração fotovoltaica. “Temos aulas com o sistema on grid, que é ligado na rede elétrica, e também o sistema off grid que utiliza banco de baterias, onde não tem rede elétrica. Para esses dois sistemas são dadas aulas práticas, além disso, também são feitas demonstrações de como funcionam outros equipamentos à base de energia solar”, disse.

“Desde o início, percebemos que esse mercado de energia solar tinha necessidade de ter mais pessoas capacitadas. Quando iniciamos no ramo, elaboramos e implantamos dez projetos, contudo, vendo que não seria um mercado tão fácil de explorar, resolvemos montar um treinamento voltado para essa área com a nossa experiência prática. Por ser um mercado novo, pontuamos no curso todos os nossos erros, para que os nossos alunos não os cometam e também mostramos nossos acertos, para que eles consigam começar de uma forma mais efetiva no mercado”, pontuou Briceño.

Ele destacou que a parceria com o Fórum de Energias Renováveis possibilitou uma atuação com mais efetividade em Boa Vista, principalmente por ser uma localidade com grande deficiência de profissionais nessa área.

“Existem várias empresas no Estado, todas com seu efetivo fechado e um grande volume de projetos. Nosso curso, além de capacitar, fornece ao mercado mão-de-obra qualificada para a prestação de serviços às empresas que já estão no mercado, movimentando a economia do estadobe gerando renda para os alunos que investem no treinamento”, explicou.

Conforme John, o diferencial do curso é que abre um leque de opções, compreendendo a área de vendas, instalação e elaboração de projetos, quem sabe, até abrir uma empresa. Além disso, após o encerramento do curso, a empresa não abandona o aluno. “Damos todo suporte para os alunos entrarem no mercado de trabalho, oferecemos estágio e todos os projetos fechados em Boa Vista, são oferecidos para os alunos, mesmo aqueles inexperientes, para que aprendam na prática. O que o aluno ganhar como conhecimento durante os estágios, vai dar a ele valorização profissional. Nossa empresa não quer apenas vender ou instalar produtos, mas também qualificar pessoas”.

Eliezer Pessoa, morador da zona rural de Boa Vista, mencionou que o curso foi uma ótima oportunidade de conhecer a tecnologia.

“Moro em uma chácara afastada da cidade, e já há algum tempo venho pesquisando sobre a energia solar, então quando me falaram do curso, achei importante fazer o treinamento para ampliar meu conhecimento sobre o assunto, pois pretendo colocar placas solares no meu imóvel. O curso traz questões importantes sobre a geração de energia limpa, além de explicar como o investimento em um sistema de energia solar vale a pena, com retorno do investimento em três ou quatro anos. Isso é um benefício extraordinário”.

Marcley dos Santos, a única mulher a fazer o curso, presta serviços de instalação de equipamentos para duas empresas e viu no treinamento uma oportunidade para ampliar seus conhecimentos técnicos.

“Um colega me incentivou a fazer o curso e depois do estágio eu percebi que gostava de fazer instalação de sistemas. Após o estágio, as empresas me deram uma oportunidade para trabalhar e de lá para cá já são oito projetos instalados, fora as vendas de equipamentos. Para nós mulheres, é uma oportunidade de profissão, que não se define apenas em vender e instalar, mas em se qualificar conforme o mercado, para melhorar nosso potencial”.

Sobre a empresa – A Hardsol é uma empresa de Manaus, que investe em capacitação de mão-de-obra para vender, instalar e elaborar projetos de sistemas de geração de energia solar.

A empresa atua com treinamentos em Roraima, Manaus, Porto Velho, Macapá, Belém, Rio de Janeiro, Maceió e Recife.

“Nossa filosofia de trabalho preza principalmente por qualificar pessoas e, por meio disso, estamos expandindo a empresa, não só com conhecimento, mas também estamos difundindo a tecnologia para pessoas que não tem tantas informações”, disse John.

Por Neuzelir Moreira.

modulo iii

EPE – UHE do Bem Querer: características do projeto, estudos e planejamento

Capacitação para os membros do Fórum de Energias Renováveis de Roraima.

Período: 21 a 23/09/2020

Módulo III

Ciclo de planejamento de uma Usina Hidrelétrica

Estudo de Inventário Hidrelétrico da Bacia do Rio Branco

Estudos de Viabilidade da UHE Bem Querer

– Levantamentos de campo

– Estudos Finais

Subestação Elevadora e Linha de Transmissão de uso exclusivo da UHE Bem Querer

EIA/Rima

– Linha do Tempo dos Estudos

– Cronograma atualizado

– Atividades realizadas

– Plano de Comunicação e Relacionamento

– Estudos do componente indígena

EPE (Felipe Gonçalves) - UHE Bem Querer EVTE
EPE (Bruno Silveira) - UHE Bem Querer Sistema elétrico de conexão
EPE (Galuce Botelho) - UHE Bem Querer ECI
Consórcio Walm-Biota (Laura Castro) - UHE Bem Querer EIA e PCR
EPE - Documentos de referência - Capacitação Fórum de Energias Renováveis de Roraima
22-09 FOTO SEGUNDO MODULO DO CURSO

EPE – Planejamento dos sistemas isolados e da transmissão de energia

Capacitação para os membros do Fórum de Energias Renováveis de Roraima.

Período: 21 a 23/09/2020

Módulo II

Conteúdo programático

Características dos sistemas isolados

– Premissas e instrumentos normativos

– Sistemática de trabalhoEPE (Bruno Silveira) - UHE Bem Querer Sistema elétrico de conexão
EPE (Aline Amorim) - SI_Fórum Energias Renováveis-RR
EPE (Katia Matosinho) - Estudos Socioambientais_Planejamento da Transmissão

– Produtos e principais resultados

Estudos para atendimento a Roraima (GT Roraima)

– Objetivo

– Principais resultados

– Desdobramentos e situação atual

Leilão para suprimento à Boa vista e localidades conectadas  de 2019

-Regras gerais

– Cadastramento e Habilitação técnica

– Resultados do Leilão

Outros estudos nos sistemas isolados

Sistema Elétrico

– Sistema Interligado Nacional (SIN)

– Estudos de Transmissão

– Principais Atores Envolvidos na Expansão do Sistema

– Atendimento a Roraima o Histórico o Configuração Atual e Configuração Futura o Interligação Manaus-Boa Vista

– Conclusões o Benefícios advindos da interligação Manaus-Boa Vista

Aspectos socioambientais no planejamento da transmissão

– Linha do tempo do planejamento, outorga, licenciamento ambiental e implantação

Principais fatores considerados nos estudos socioambientais

Principais desafios

 

 

card curso modulo 1

EPE – Planejamento de médio e longo prazo no Setor Elétrico

Capacitação para os membros do Fórum de Energias Renováveis de Roraima.

Período: 21 a 23/09/2020

Módulo I

Conteúdo programático

Quem é  e qual o papel da EPE? 

Diretrizes para o planejamento

 Cenário macroeconômico

 Demanda e eficiência energética

Conceitos para a expansão da geração (energia, potência e flexibilidade) 

Recursos energéticos [potencial disponível

 Recursos energéticos distribuídos – geração distribuída 

Características técnicas de cada fonte (flexibilidade e intermitência)

Aspectos socioambientais nos estudos do planejamento o Análises socioambientais o Mecanismos de participação social 

Planejamento da expansão da geração de energia (PDE 2029) o Matriz energética e elétrica brasileiras o Premissas e desafios para a expansão (flexibilidade, segurança, etc)

Principais resultados e mensagens do PDE considerando a característica indicativa da expansão das matrizes elétrica e energética. 

WhatsApp Image 2020-11-03 at 10.38.19

Integrantes do Fórum debatem sobre incentivos à geração de energias renováveis

Os integrantes do Fórum de Energias Renováveis de Roraima vem debatendo proposições da sociedade civil para acelerar a transição energética de Roraima, rumo a uma matriz diversificada baseada nas energias limpas. Com a previsão do leilão de fornecimento de energia aos sistemas isolados em 2021, que prioriza as energias renováveis para 23 localidades da região norte, a discussão do tema animou as discussões.

“Para Roraima, o Leilão dos Sistemas Isolados sinaliza soluções de atendimento para o suprimento de energia elétrica dos Municípios de Amajari, Pacaraima e Uiramuta. Mesmo podendo o suprimento ser feito por gás natural, o leilão prioriza as fontes renováveis. Isso significa um esforço para a diversificação da matriz elétrica com recursos energéticos renováveis e sustentáveis para Roraima, o que representa o anseio da sociedade local”, pontuou Conceição Escobar, integrante do Fórum.

Ciro Campos, integrante do Fórum e representante do movimento Puraké, explicou que o leilão traz para os municípios do interior uma boa oportunidade de limpar a sua matriz de energia. “O fornecimento de energia no interior é constituído basicamente por geradores a diesel. Mesmo priorizando fontes de energias limpas, é permitida a entrada de fontes com combustível fóssil. Estamos debatendo e torcendo para que as condições do edital sejam favoráveis para a entrada da energia solar, eólica e outras fontes limpas”.

Para Ygor Logullo, também integrante do Fórum, é necessário que haja orientação para a população, por parte do poder público, principalmente o Governo Federal. Ele menciona que é preciso incentivar estudos e pesquisas sobre essas fontes renováveis aqui no estado, pois faltam dados. Dados que demonstrem que essas fontes, de fato, são mais vantajosas e que mostrem os efeitos negativos de outras fontes de geração de energia.

“Entre as soluções pensadas anteriormente está especificamente a construção da hidrelétrica do Bem Querer. Essa foi uma decisão tomada na década de 90, quando existia outro contexto, com menos opções tecnológicas. Uma decisão tomada a partir de critérios, atributos e dados que se tinha naquela época. Mas as tecnologias evoluíram, os dados atuais são muito mais precisos e interpretam melhor quais seriam os possíveis riscos que enfrentaríamos com a decisão por essa hidrelétrica”, lembrou Ygor.

Ele ressalta que existe uma grande preocupação com os impactos ambientais e sociais com a construção de uma hidrelétrica e o mais viável seria incentivar estudos e pesquisas independentes ou em universidades, para que se pudesse mensurar melhor os riscos e critérios. “Os estudos poderiam estruturar o problema de forma sistêmica e considerando a complexidade inerente, que envolve diversos atores e interesses que podem impactar as vidas de muitas pessoas, assim como a fauna e a flora. São fatores que a gente não consegue ainda estimar” disse Logullo.

Para Ygor, com o poder público incentivando estudos para que esse olhar consiga se sobrepor ao problema, dando informações e dados suficientes para a tomada  de decisão, ele acredita que se consiga ter uma maior tendência para a priorização da geração da energia solar ou eólica, fontes renováveis com impactos muito menores. “Outro critério importante é a questão econômica. Os estudos também devem considerar o avanço da tecnologia e a redução dos custos do armazenamento eletroquímico da energia elétrica”, comentou.

Somente com o fomento à pesquisa será possível definir melhor o problema, os critérios e os atributos para saber quais dados são necessários coletar, propiciando orientar mais adequadamente o planejamento energético de Roraima.

WhatsApp Image 2020-11-03 at 10.38.10

Problemas em sistema de energia solar fotovoltaica causam transtornos ao consumidor

No dia 22 de outubro, um jornal de grande circulação na capital boa-vistense, publicou um caso de um consumidor que instalou um sistema de energia solar fotovoltaica em sua residência, e os problemas que ele teve no último mês com a surpresa no valor da conta de energia, que chegou a R$ 1.400,00.

Após tomar conhecimento do problema, o Fórum de Energias Renováveis de Roraima, verificou a situação para saber o que foi feito para esclarecer e solucionar o problema.

Conforme o consumidor, Mauro Schmitz, a concessionária de energia e a empresa de assistência do sistema solar, realizaram vistoria na residência para verificar o que poderia ter ocorrido.

Schmitz informou que foi detectado que se tratava de um inversor queimado, que foi substituído pela empresa de instalação de equipamentos.

Após o ocorrido, Mauro está realizando o monitoramento do sistema de energia solar fotovoltaica por meio de aplicativo que informa dados do quanto o sistema está gerando de energia por mês, para que a partir desses dados, ele possa elaborar um relatório para o conselho de consumidores da concessionária de energia.

O Conselho dos consumidores informou que aguarda a formalização da queixa, por meio de um requerimento, para que possa solicitar explicações da concessionária de energia.

No que se refere aos questionamentos de Mauro ao valor cobrado pela concessionária de energia, ele repassou que aguarda a revisão da fatura.