gráfico

Classe residencial é a que mais adere à Geração Distribuída com energia solar em Roraima

Para quem pagava cerca de R$ 7.200 por mês na conta de energia elétrica, ter esse valor reduzido para R$ 1.700 é uma grande vantagem econômica. Esse é o caso do empresário Laerte Miranda, dono de uma peixaria em Boa Vista (RR). Após ter sido aconselhado por um amigo, ele resolveu aderir ao uso de energia solar em seu restaurante e também na casa onde mora.

Atualmente, o empresário também paga R$ 4.800 que é o valor da parcela do investimento do banco para a compra dos equipamentos de energia fotovoltaica. Laerte, pontua as vantagens do negócio.

“Estou muito satisfeito porque estou pagando algo que vai ser totalmente meu. O meu financiamento vai durar cinco anos e depois disso, não terei mais gastos elevados com o pagamento do consumo de energia”, relatou.

O Banco da Amazônia tem facilitado acesso as linhas de crédito para aquisição de equipamentos para instalação de usinas de energia solar em residências, comércios e em propriedades rurais por meio de um programa especial de financiamento de energia solar, que é o Energia Verde. Quanto as condições, micros, pequenas, médias e grandes empresas tem o prazo de até 12 (doze) anos, e carência de até 4 (quatro) anos para começar a pagar.

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), apontam que a Classe Consumidora Residencial é a que mais faz a adesão de sistemas de Geração Distribuída (GD) por energia solar em Roraima. São 202 usinas, em 4 municípios: Boa Vista 197; Cantá 1; Caracaraí 3; e Mucajaí 1.

Em seguida vem a Classe Comercial, com 26 GD em quatro municípios: 23 em Boa Vista; 1 no Cantá; 1 em Iracema e 1 em Pacaraima.

No Poder Público são 7 usinas de energia solar. De acordo com informações da Prefeitura de Boa Vista, repassadas ao Fórum de Energias Renováveis, os sistemas estão na Comunidade Indígena Darora; Terminal Luiz Canuto Chaves, no estacionamento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente que abastece os abrigos climatizados; Mercado Municipal São Francisco; Palácio 9 de Julho e no Teatro Municipal.

A sétima é a maior usina de energia solar de Boa Vista, localizada na BR-174, área rural do município, que conta com 15 mil placas solares com potência de 5 megawatts que abastecem 75% das unidades consumidoras dos órgãos públicos municipais.

A prefeitura também informou que a usina solar instalada no estacionamento do Teatro Municipal, tem garantido economia na conta mensal de energia do local. De R$ 76 mil, a conta do teatro foi para R$ 18 mil, que é o valor limite estipulado em contrato, ou seja, o consumo de energia foi compensado, assim como 10 outras unidades consumidoras da prefeitura. A prefeitura estuda expandir para todos os prédios públicos da administração municipal.

Já a Classe Rural possui até agora 6 GD, em 2 municípios do estado: Alto Alegre 1; e Boa Vista com 5. Os últimos dados da Aneel sobre a quantidade anual de conexões apontam que foram 63 GD em 2019; e 161 em 2020. Este ano, novos 4 sistemas de Geração Distribuída já foram instalados no estado, totalizando 241 usinas.

 

Por Bruna Cássia/ Thamy Dinelli

 

Compartilhar