DJI_0005-scaled

Indígenas aprovam projeto- piloto para instalação de painéis solares na comunidade Samaúma, em Roraima.

 

Indígenas da etnia Wai-Wai aprovaram por unanimidade o “Projeto-Piloto Samaúma” que pretende assegurar internet e energia elétrica à comunidade Samaúma, localizada no município de Caroebe (RR). O projeto foi apresentado durante assembleia por uma equipe do Fórum de Energias Renováveis, que viajou até a localidade.

 A iniciativa conta com a  implementação de sistema de geração fotovoltaica com armazenamento de energia; revisão e recuperação em vários trechos da infraestrutura de distribuição da rede; além de ajudar a suprir as demandas domésticas, de entretenimento, educação, cultura, saúde e atividades de produção na comunidade.

O engenheiro Frederico Peiró destaca que o projeto pode ser replicado em outras localidades remotas da região, em atenção aos quase um milhão de brasileiros que enfrentam dificuldades quanto ao acesso à energia.

 “Embora existam geradores a diesel ali instalados, são registrados frequentes colapsos pelo fato de serem antigos e por falta de manutenção. Nessa perspectiva, as energias poluentes vão gradativamente dando lugar às renováveis”, destacou Peiró.

O colaborador do projeto que fez a visita técnica à comunidade indígena, Ederson Rodrigues, informou que constantemente falta  energia elétrica por conta do difícil transporte do diesel. Quando tem combustível a energia só dura duas horas por dia, causando inúmeros problemas.

 “Não tem como guardar vacinas e medicamentos, não é possível utilizar ferramentas elétricas e também há dificuldades na utilização de celulares, rádio e internet”, frisou.

No início deste ano o Fórum de Energias Renováveis buscou mais detalhes acerca da problemática, na intenção de identificar e implementar alternativas que pudessem mitigar as dificuldades. Foi constatado que a comunidade enfrentava, há cerca de um ano e meio, a falta de água potável. Os indígenas estavam bebendo água de riachos, impróprias para consumo humano e, em consequência, muitos estavam adoecendo, principalmente as crianças. 

A situação quanto ao bombeamento de água foi resolvida de forma emergencial, mas era clara a necessidade de avançar e criar novos mecanismos para assegurar uma entrega de energia elétrica regular e de melhor qualidade: renovável e sustentável.

A iniciativa do projeto atende à demanda do Coordenador Regional do Povo Wai Wai do Estado de Roraima, Miguel Wepaxi Wai Wai.  E foi elaborado pelo Fórum de Energias Renováveis – que tem como um de seus desafios levar às comunidades isoladas na Amazônia acesso à energia limpa, com eficiência, justiça social e desenvolvimento local – com o apoio do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé), com o antropólogo Renan Reis.

“Esse projeto foi aprovado porque precisamos de uma energia limpa. Hoje nós usamos motor a diesel, isso prejudica o meio ambiente. Essa iniciativa vai preservar a natureza e ajudar nossa comunidade na manutenção de alimentos, nas escolas e na saúde,” disse Miguel Wai-Wai.

Outro destaque é que o projeto é colaborativo, os jovens escolhidos pela comunidade irão receber a qualificação e treinamentos técnicos, em seguida devem montar os equipamentos de energia solar na comunidade, irão cuidar das usinas e montar novas instalações em outras comunidades. Os novos técnicos serão remunerados pelo serviço. 

Agora que foi aprovado pelos Wai- Wai,   o “Projeto- Piloto Samaúma” segue para a etapa de captação de recursos para realização. A previsão  de execução de todo o projeto é de 1 ano. 

**

Por Thamy Dinelli

Foto: Laudiney Sampaio (divulgação Fórum)

 

unnamed-1024x726

Empresários se unem para criar a Associação Roraimense de Energia Solar Fotovoltaica

O Fórum em parceria com o Sebrae Roraima promoveu um evento online  para mobilizar  empresários do segmento de geração fotovoltaica no Estado  em busca de uma atuação integrada para melhorar o ambiente de negócios no ramo de energia solar. Como resultado desse encontro vem sendo discutida a formalização da Associação Roraimense de Energia Solar Fotovoltaica (ARSOLAR). Quem explicou esse processo pra gente foi a engenheira eletricista e empresária, Aronny Del Valle.

Ouça a entrevista:

 

img camara dos deputados

Marco Legal da GD é aprovado na Câmara dos Deputados

A proposta apresentada pelo relator do PL 5829 (Projeto de Lei n.º 5829/2019) foi aprovada na Câmara dos Deputados no final da tarde desta quarta-feira (18). O documento foi discutido em turno único e teve a maioria absoluta dos votos. Foram 476 a favor, três contrários e houve outras três abstenções.

Ainda é esperada a votação dos destaques apresentados pelos parlamentares e, concluído essa etapa, seguirá para votação no Senado, onde precisará ter metade dos 81 parlamentares se posicionando de maneira favorável.

O texto tem como objetivo criar o Marco Legal da GD (geração distribuída) no Brasil, atribuindo à ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) a responsabilidade de considerar atributos técnicos, ambientais e sociais para a micro e minigeração distribuída no cálculo de compensação da energia.

A ideia é oferecer mais segurança jurídica e regulatória para o crescimento sustentável do setor elétrico brasileiro, estendendo a cobrança de encargos e tarifas de uso dos sistemas de transmissão e de distribuição. O PL é de autoria do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) e tem como relator o deputado Lafayette Andrada (Republicanos/MG).

“Este é um projeto importantíssimos para o Brasil, pois levará a democratização e a popularização do uso da energia solar, que é barata e está à disposição de todos. O Brasil é o país do Sol, mas hoje só aqueles que tem melhor poder aquisitivo tem condições de tê-la em suas residências. Por esse projeto, nós vamos conseguir fazer isso (levar os benefícios para mais pessoas)”, afirmou Lafayette.

Inicialmente, o PL 5829 estava previsto para ser votado no início do ano passado, mas acabou sendo postergado devido à pandemia da Covid-19.  O tema foi retomado em dezembro de 2020, quando a maioria dos deputados votou pela urgência do texto, permitindo com que pulasse algumas etapas no processo de tramitação e fosse direto para votação, que acabou não se confirmando inicialmente.

Ao longo do ano, o projeto foi colocado em pauta para votação na Câmara dos Deputados 11 vezes, mas não chegou a ser analisado em nenhuma das sessões extraordinárias. O texto estava sendo deixado de lado nas votações por falta de consenso entre os parlamentares.

**

Por Canal Solar

luz-para-a-amazonia__

Fórum de Energias Renováveis e instituições propõem emenda ao PL da GD contemplando os Sistemas Isolados

O relator da matéria, deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG), protocolou o parecer oficial do PL 5.829/2019 nesta quarta-feira (18). O PL que cria o Marco Legal da Geração Distribuída (GD) deve entrar na pauta da votação da Câmara dos Deputados, hoje, onde a sessão já está ocorrendo.

O Projeto de lei prevê a criação de um marco legal para a geração própria de energia no Brasil conciliando os interesses das distribuidoras, dos consumidores e da indústria de energia fotovoltaica. O PL estende a cobrança de encargos e tarifas de uso dos sistemas de transmissão e de distribuição aos micro e minigeradores de energia elétrica.

A medida atinge consumidores que geram a própria energia elétrica, sobretudo a partir de fontes renováveis (solar, eólica, biomassa), e injetam o excedente na rede de distribuição local.

Os atuais micro e minigeradores continuarão sem pagar o encargo até 31 de dezembro de 2040. Esse desconto, entretanto, não se aplica aos custos de disponibilidade ou de demanda contratada.

Diante do texto do PL e dos substitutivos incorporados, um documento foi formulado e assinado por diversas instituições- Fórum de Energias Renováveis; Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC); Instituto Clima e Sociedade (ICS); International Energy Initiative Brasil (IEI) e Revolusolar – propondo emenda ao importante projeto de lei contemplando os problemas de acesso à eletricidade e à qualidade dos serviços de energia elétrica em comunidades de baixa renda em áreas urbanas e nas regiões ainda não conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN), conhecidas como sistemas isolados.

Como justificativa o documento relata que o incentivo à geração distribuída nas comunidades de baixa renda, assim, deve ser reconhecido como um esforço que garante o acesso mais adequado aos serviços de energia elétrica e, em consequência, melhores condições de saúde, bem-estar, educação e lazer. Nesse sentido, deve ser visto como uma importante medida de democratização do acesso à energia e de melhoria das condições mínimas de desenvolvimento social e econômico.

Olhando para o conjunto do país, trata-se de estratégia que permite a redução de custos do sistema elétrico porque reduz perdas não técnicas, bem como ação de alinhamento do Brasil a um processo de transição energética em direção à descarbonização.

Esses benefícios da geração distribuída também se encontram presentes nos territórios do país ainda não conectados ao SIN, cuja eletricidade ainda é majoritariamente provida por antigos e ineficientes motores a diesel. Neste caso, soma-se à melhoria das condições de acesso a serviços adequados de eletricidade, uma redução significativa de vultosos subsídios, pagos pelos consumidores do SIN.

Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a manutenção dos 237 sistemas de geração a diesel existentes nos sistemas isolados totalizaram, em 2019, um subsídio de R$ 7,1 bilhões, pagos pela Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), atrelada à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

O substitutivo ao PL 5829/2019 parcialmente endereçou o potencial de uso da geração distribuída como instrumento de democratização do acesso a serviços adequados de eletricidade, por meio da criação do Programa de Energia Renovável Social. Porém, é digno de nota que esse programa passa ao largo do tamanho do desafio e do potencial que a geração distribuída tem de promoção de equidade e oportunidades sociais e econômicas nas comunidades mais vulneráveis do país.

Por isso, as instituições que assinam a emenda solicitam aos deputados que considerem as características das comunidades de baixa renda em áreas urbanas, assim como dos sistemas isolados e suas populações e que levem em conta as demandas apresentadas.

ifrr

Instituto Federal de Roraima investe em pesquisas sobre energias renováveis

 

Há três anos, o IFRR lança editais que selecionam de um a dois projetos para serem trabalhados com apoio financeiro da instituição.

 

O Instituto Federal de Roraima (IFRR) investe em pesquisas sobre energias renováveis há três anos. Com a abertura de editais que selecionam de um a dois projetos por ano, a instituição dá a oportunidade para que os professores coloquem as pesquisas em prática no próprio campus.

Um novo edital deve ser lançado ainda em agosto,  e tem o objetivo de selecionar um projeto em que o pesquisador receberá R$25 mil para trabalhar na execução, segundo o pró-reitor Romildo Nicolau Alves, que é doutor  em Tecnologias Energéticas e Nucleares.

“O professor selecionado tem até julho do próximo ano para poder apresentar os relatórios da pesquisa”, explicou Alves, que já chegou a trabalhar em uma das pesquisas sobre energias renováveis.

Alves também pesquisa alternativas para o biogás, que geralmente é produzido a partir de resíduos animais, como o esterco.

“Eu avalio outras fontes orgânicas. Por exemplo, o capim elefante e a gliricídia, que é uma planta leguminosa que se adaptou muito bem ao estado de Roraima, podem ser utilizados na produção de biogás”, afirmou o pesquisador.

 

Bobina eólica de custo reduzido

 

Um dos projetos de êxito dentro do programa é a bobina eólica de custo reduzido, desenvolvida pelo engenheiro agrônomo e professor do curso técnico em agropecuária do IFRR, Raphael Siqueira, no início de 2021. 

A energia eólica é a transformação do vento em uma energia útil. Siqueira implantou as bobinas no campus do próprio IFRR, e a energia era usada para carregar uma bateria estacionária. Esta bateria envia um comando que mantém os vasos sanitários da instituição com água. Durante a pandemia, as bobinas foram desativadas. 

Atualmente o professor estuda uma forma de reduzir o custo para que agricultores tenham acesso ao equipamento.

“A ideia é fazer um sistema de baixo custo para a agricultura familiar e assim aumentar a qualidade de vida e produção do agricultor”, afirmou o engenheiro agrônomo.

Com materiais aproveitados de carros e outras máquinas, a intenção do pesquisador é garantir um preço entre R$2 mil e R$2,5 mil. O investimento garante que o agricultor não perca tempo com a irrigação ou com o quanto cada plantação precisa de água.

A própria bateria vai entender quando precisa enviar água, pois há um sensor de reparo que identifica automaticamente o nível de umidade do solo.

Além de Siqueira, o projeto contou com um bolsista de iniciação científica do IFRR, professores da Universidade Estadual de Roraima (UERR) e do Centro Universitário Estácio. A Universidade Federal de Roraima (UFRR) também cedeu um laboratório para que algumas análises fossem realizadas.

**

Por Fabrício Araújo

Foto: Folha BV

 

 

20-03-imagem-podcast-1024x1024

Empresa destaca os benefícios de investimentos em energia solar fotovoltaica

Há dois anos a empresa Solar Prime atua no mercado roraimense na elaboração de projetos e vendas de equipamentos para instalação de usinas de energia solar. Nesta edição, o George Giordani, responsável pela empresa contou um pouco sobre o trabalho realizado por eles de olho no mercado local.

Ouça a entrevista:

20-03-imagem-podcast-1024x1024

Empresa aposta em atendimento personalizado para fidelizar clientes no setor de energia solar fotovoltaica em Roraima

Com a expansão da energia solar fotovoltaica, o mercado tem incentivado empresários em vários seguimentos aqui em Roraima. Uma das empresas que apostou nesse ramo foi a Hardsol, que atua na microgeração de energia solar fotovoltaica, em criação e análise de projetos e instalação e pós-venda. O diretor técnico da Hardsol, John Briceno conversou com a gente e deu detalhes da atuação no mercado roraimense.

Ouça a entrevista:

App-Image-2021-07-20-at-11.58.07_1_

FÓRUM DE ENERGIAS RENOVÁVEIS PROMOVE EVENTO COM EMPRESÁRIOS DA ENERGIA SOLAR PARA FORTALECER O SETOR EM RORAIMA

O Fórum de Energias Renováveis de Roraima, com o apoio do Sebrae/RR, realiza nesta quinta-feira (22) às 16h (horário BV) o evento online União e Organização do Setor de Energias Renováveis para fortalecer os negócios, gerar empregos e desenvolver Roraima. O objetivo principal da reunião é sensibilizar e mobilizar os empresários do segmento de geração fotovoltaica para a importância de uma atuação integrada para melhorar o ambiente de negócios, ampliar o mercado e garantir o crescimento das empresas.  

De acordo com o coordenador do Fórum, Alexandre Henklain, a experiência mostra que em qualquer ramo de negócios, a concorrência saudável é muito bem vinda, porém concorrência e cooperação podem e devem acontecer ao mesmo tempo.

 “É salutar que haja uma concorrência entre as empresas para oferecer melhores produtos e serviços, com preços e condições atraentes a seus clientes e, simultaneamente, também tenham “consciência” de que é vantajoso para cada uma das empresas que elas se unam e se associem em torno de objetivos comuns”, destaca.

Nos últimos anos o setor vem se fortalecendo no estado, em 2016 era somente 01 usina fotovoltaica instalada, segundo dados da Aneel. Atualmente são mais de trezentas instaladas em 8 municípios.

Henklain diz ainda que é de interesse de todas as empresas  que haja políticas públicas de apoio ao setor, assim como é do interesse comum que haja incentivos fiscais, facilidades de acesso ao crédito, tanto para as empresas, como para seus clientes. 

“Para que esses objetivos comuns se tornem realidade, as empresas precisam se unir, afinal “a união faz a força” e esse é o “convite” que fazemos ao segmento de geração fotovoltaica, que entendam esse é o momento para juntarem suas competências, capacidades de realização e esforços para fazer o “bolo crescer”, “aumentando a fatia” de cada um no mercado”.

 Durante o encontro o FÓRUM e o SEBRAE devem falar também sobre novas oportunidades, como a atuação na área de eficiência energética e, especificamente sobre o “Leilão de Eficiência Energética de Boa Vista”, sobre a possibilidade de projetos de gestão estratégica, desenvolvimento tecnológico e gerencial. 

As empresas interessadas em participar do evento devem entrar em contato pelo e-mail: [email protected] ou pelo telefone: (95) 3212-3884 / Ramal 136260.

**

Foto: Construcenter Solar

WhatsApp-Image-2021-07-16-at-17.45.12-1400x788

RR TOTALIZA ATÉ O PRIMEIRO SEMESTRE MAIS DE 300 USINAS

 

Roraima registrou nos últimos seis meses a instalação de dezesseis (16) novas usinas de Geração Distribuída (GD) tendo como fonte de geração a radiação solar, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

 Com isso, o estado que está avançando nos investimentos no setor da energia solar, registra até agora 342 unidades de GD beneficiando com créditos 827 Unidades Consumidoras. Com mais usinas sendo instaladas, a potência atual é de 8.205,55 kW. Cerca de 22% superior a dezembro de 2020.

Além da capital Boa Vista com 331 unidades, usinas fotovoltaicas estão instaladas em outros sete municípios sendo: Alto Alegre (01), Amajari (01), Cantá (02), Caracaraí (04), Iracema (01), Mucajaí (01), Pacaraima (01).

A Classe Residencial lidera o ranking com 236 usinas, em segundo aparece a Classe Comercial com 28, em terceiro está o Poder Público com 71, seguido da Classe Rural com 06 usinas. Uma novidade na lista é a  Classe Industrial, que aparece neste ano com 01 usina instalada. 

 No Brasil, a energia solar bateu recorde no primeiro semestre de 2021. De janeiro a junho foram instalados 1,32 GW de potência. De acordo com o Canal Solar – que fez o levantamento junto a Aneel – o acréscimo de potência solar contabilizado no ano é cerca de 4% maior do que o registrado no mesmo período de 2020, quando 1,27 GW foram computados no sistema da Agência entre os dias 1º de janeiro e 30 de junho.

Os dados no país mostram que os números da geração solar  ficam significativamente maiores a cada semestre. Para se ter uma ideia, o incremento de potência instalada, entre janeiro e junho deste ano, é 135% e 842% maior do que em relação ao mesmo período de 2019 (0,56 GW) e 2018 (0,14 GW), respectivamente.

O levantamento também revela que dentre as regiões brasileiras a que mais instalou GERAÇÃO SOLAR/ FOTOVOLTAICA no primeiro semestre deste ano foi a Sudeste, com cerca de 0,49 GW. Na sequência, aparecem: Nordeste (0,28 GW); Sul (0,23 GW); Centro-Oeste (0,22 GW) e Norte (0,1 GW), respectivamente.

Segundo projeções da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), a soma dos novos investimentos privados em energia solar deverá ultrapassar a barreira dos R$ 22,6 bilhões neste ano, um aumento de cerca de 75% em relação aos R$ 13 bilhões que foram injetados no setor em 2020.

A entidade estima ainda que o setor fotovoltaico deverá gerar mais de 147 mil empregos por todo o território nacional em 2021 sendo a maior parte desta parcela para o segmento de GD, com 118 mil novos postos de trabalho.

 A perspectiva é finalizar o ano com um total acumulado de 377 mil empregos no país contabilizados desde 2012.  

**

Por Thamy Dinelli (Assessoria de Comunicação Fórum de Energias Renováveis de Roraima)

Contribuições: CANAL SOLAR

 

Empressa de energia solar

Empresas que atuam na área de energia solar em Roraima

Com o crescimento do mercado de energia fotovoltaica no Estado, são muitas as empresas que tem apostado no segmento.  Os investimentos são nas áreas de elaboração de projetos, venda de equipamentos e instalação de usinas de energia solar. Para facilitar o acesso a esses fornecedores, o Fórum de Energias Renováveis de Roraima  vai disponibilizar a partir de agora informações dessas empresas no nosso portal.

 Solicitamos às empresas integradoras ainda não relacionadas que nos contatem, para que possamos divulgar seus dados.

 

 

Empresa

 

 

Responsável

 

 

Endereço

 

Telefone Redes sociais
BLUE SOL Matheus Araújo (Franquia Boa Vista-RR) Rua Cel Victor Coutinho No 31 – Cidade Nova – CEP 69094-190 Manaus Amazonas 99902-9152 Instagram.com/bluesol_energiasolar

Facebook.com/BlueSolEnergiaSolar

Youtube.com/bluesolenergy

Site: blog.bluesol.com.br

BV SOL Paulo Leal Rua Cambará n 49- Cambará (95) 981039583 Facebook: BVsol
Instagram: bvsolrr
CONSTRUCENTER Abimael Ferreira Batista Rua Caçapava, setor  09 de cima   Nº4792  Ariquemes – RO

 

 

(69) 3535-2747

 

@Construcenterariquemes
DONSOL Nori Rabelo Yuri Venâncio Av.Presidente e Dutra 1236- Aparecida 98110-1086 Instagram: @donsolenergia
GFENG ENGENHARIA E PROJETOS LTDA Geziel Araujo Frota Rua Rio Jutaí, n°1013, Vieiralves – Manaus (92) 3082-9495 e (92) 99436-4926 Instagram:@gfengengenharia
Site: gfeng-engenharia.com
HARDSOL John Briceño Rua Cel Victor Coutinho No 31 – Cidade Nova (92) 99217 9793  

Site: www.hardsol.com.br

@hardsol.am
YouTube:  HardSol Energia Solar

 

MULTISOLUÇÕES&CIA  Daniel David Rua Jorge Fraxe, 557 – Caimbé 98118-4346

3625-7078

Instagram: multisolucoesecia

Facebook: multisolucoesrr

Site: multisolucoesecia.com

RIBEIRO ENERGIA SOLAR Maxwell Ribeiro Rua Severino Soares de Freitas 1748 – Paraviana 95 99163-7477 Instagram e Facebook- Ribeiro Energia Solar
SOLAR PRIME George Rua Homero Cruz, 65B – SÃO Francisco 99151-8818 Instagram:@solarprime.bvb

 

Facebook: Solarprime Boa Vista

SOLARES CENTRO DE TREINAMENTOS Paulo Soares Rua Pedro Rodrigues, 1873 – Mecejana 99965-6633 Instagram: ctsolaresrr
SUSTENTÁVEL ENERGIA LTDA

 

Stélio Avenida  Ville Roy, 1761 – Caçari 95 98415-2475 @sustentavelenergia

 

Foto: Bluesol